Home > Botânica > Taxonomia Vegetal > Reino Plantae > Plantas vasculares sem sementes  
  Botânica
  Fotos
  Manuais
  Especiais
 

Plantas Vasculares sem Sementes

São as plantas conhecidas genericamente como pteridófitas, samambaias e avencas.

Exemplos de plantas vasculares sem sementes: uma avenca e uma samambaia. Foto: Silvia Schaefer

 

São plantas que conseguiram atingir um tamanho maior do que as primeiras plantas terrestres (briófitas) devido ao surgimentos dos elementos condutores de seiva através da planta. Entretanto, seu sistema reprodutivo ainda é simples, e parcialmente dependente da água, pois não possuem nem sementes, nem flores e nem frutos.

O corpo das plantas vasculares sem sementes já apresentam organização em tecidos, mostrando raízes, caules e folhas verdadeiros.

Existem três divisões de plantas vasculares sem sementes, Rhyniophyta, Zosterophyllophyta e Trimerophyta dominaram a Terra no Período Devoniano e tormaram-se extintas no final deste período (cerca de 360 milhões de anos atrás). Estas plantas eram relativamente simples em sua estrutura.

A quarta divisão de plantas vasculares sem sementes, Progimnospermophyta ou pró-gimnospermas, também extinta, provavelmente originou as plantas com sementes, as gimnospermas e angiospermas.

Além destas quatro divisões mencionadas e já extintas, existem quatro divisões que possuem representantes atuais: Psilotophyta, Lycophyta, Sphenophyta e Pterophyta. Estas divisões serão discutidas nas próximas páginas.

Estas plantas (samambaias, licofitas, esfenofitas e pró-gimnospermas) apresentam estruturas mais complexas, e dominaram a vegetação da Terra a partir do Período Devoniano Superior até o fim do Período Carbonífero, de cerca de 380 até 290 milhões de anos atrás.

A partir da Era Mesozóica até em torno de 100 milhões de anos atrás, as gimnospermas passaram a dominar a flora terrestre.

As plantas com flores (angiospermas) apareceram cerca de 127 milhões de anos atrás, e tem permanecido como a flora dominantes desde então.

O grupo das pteridófitas:

• A partir desse grupo, as plantas começam a desenvolver um sistema vascular, no entanto este ainda esta longe da complexidade atingida nas angiospermas (lignificação).
• As Pteridófitas, Gimnospermas e Angiospermas, formam o grupo das Traqueófitas.
• A presença de sistema vascular nas traqueófitas, proporcionou grau maior de independência da água: transporte rápido e eficiente.
• O tamanho das pteridófitas é bem maior em relação ao das briófitas (que apresenta sistema avascular).
• As primeiras plantas vasculares não possuíam raízes nem folhas, foi somente com a especialização que estas estruturas foram lentamente aparecendo.
• As pteridófitas não apresentam flor, semente ou fruto.
• Reprodução: produção de esporos, formados no interior dos esporângios, reunidos em soros.

• Todas as plantas vasculares são oogâmicas (uma oosfera grande e anterozóides numerosos e diminutos, algumas vezes flagelados);

• Os esporos das plantas podem ser divididos em:
- Homosporados - produzem gametófitos bissexuados (com anterídios e arquegônios)

Para evitar a autofecundação, os arquegônios e os anterídios geralmente amadurecem em épocas diferentes;

Encontrados em Psilotophyta, Sphenophyta (cavalinha), algumas Lycophyta e quase todas as samambaias;

- Heterosporados – esporos masculinos e femininos que, ao germinarem, dão origem a gametófitos unissexuados (M e F);

Encontrados em algumas Lycophyta, em umas poucas samambaias e em todas as plantas com sementes;

As principais divisões das plantas vasculares sem sementes são Psilotophyta, Lycophyta, Sphenophyta, e Pterophyta.


 

   Termos de uso | Links | A equipe | Contato | |